A BIOPOLÍTICA EM GIORGIO AGAMBEN E MICHEL FOUCAULT: O ESTADO, A SOCIEDADE DE SEGURANÇA E A VIDA NUA

Daniel Wunder Hachem, Saulo Lindorfer Pivetta

Resumo


O artigo tem como objetivo investigar formas através das quais o Estado contemporâneo promove sutis intervenções biopolíticas na sociedade, adotando-se, para isso, o referencial teórico de Michel Foucault e Giorgio Agamben. Após a apresentação do entendimento foucaultiano a respeito da biopolítica, e a construção de Agamben formada a partir da concepção de homo sacer, que ilustra a apropriação da vida pelo Estado moderno, realiza-se uma aproximação das concepções dos dois autores, evidenciando os principais pontos em que uma mostra-se complementar à outra. Em seguida, e partindo do aporte teórico apresentado, analisa-se a Portaria SAS/MS nº 90/2011, um típico exemplo de intervenção biopolítica operada pelo Estado brasileiro contemporâneo.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .