DEMOCRACIA, INVISIBILIDADE SOCIAL E O DESENCANTO COM O (PÓS) MODERNO: A DESOBEDIÊNCIA CIVIL COMO ALTERNATIVA DEMOCRÁTICA

Lucas Kaiser Costa, Daury Cesar Fabriz

Resumo


Desde sua gestação até sua retomada na modernidade, a democracia é consagrada como a melhor forma de governo, ápice da organização política, reduzindo-se as possibilidades às democráticas. Todavia, a partir da conjugação aos interesses do mercado, fruto do sistema capitalista dos Estados (neo)liberais, e pautando-se numa racionalidade instrumental, observa-se um verdadeiro esvaziamento da essência democrática, uma vez que o modelo ignora quem o legitima. Observa-se um lado perverso desse modelo, que silencia, exclui e fomenta a invisibilidade, impondo-se repensá-lo, buscando-se alternativas que possibilitem retomar sua essência. O presente artigo objetiva contribuir com esse debate, investigando quais seriam essas alternativas, que permitiriam repensar a democracia e sua viabilidade propositiva de mudanças. Partindo-se da busca por alternativas no seio social, consubstancia-se a desobediência civil como interessante caminho que possibilita abertura de espaços para outras formas democráticas, através da ruptura com o paradigma vigente, repensando a democracia para além do seu modelo atual.

Referências


BARZOTTO, Luis Fernando. A democracia na Constituição. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2005.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

______. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

BECK, Ulrich. Modernização reflexiva. São Paulo: Editora da Unesp, 1994.

BITTAR, Carlos Eduardo Bianca. O direito na pós-modernidade. In: Revista Sequência: Estudos Jurídicos e Políticos, nº 57, p. 131-152, dez. 2008, Santa Catarina, 2008.

CHOMSKY, Noam. A minoria próspera e a multidão inquieta. 2. ed. Brasília: Editora UNB, 1999.

______. O lucro ou as pessoas?: neoliberalismo e ordem global. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

DUSSEL, Enrique. 1492: O encobrimento do outro (a origem do “mito da modernidade”). Petrópolis: Vozes, 1993.

GOYARD-FABRE, Simone. O que é democracia?: a genealogia filosófica de uma grande aventura humana. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

LIPOVETSKY, Gilles; CHARLES, Sébastien. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, 2004.

MAGALHÃES, José Luiz Quadros de. O estado plurinacional e o direito internacional moderno. Curitiba: Juruá, 2012.

MARCUSE, Herbert. Ideias sobre uma teoria crítica da sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 1989.

RIBEIRO, Renato Janine. Democracia versus república: a questão do desejo nas lutas sociais. In: BIGNOTTO, Newton. Pensar a república. Belo Horizonte: UFMG, 2000.

ROSENFIELD, Denis L. O que é democracia. São Paulo: Brasiliense, 2008.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

______. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

______. Democratizar a democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2003.

______. Para além do pensamento do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: Revista Crítica de Ciências Sociais, nº 78, Outubro, 2007.

______. Poderá o direito ser emancipatório. Vitória: FDV; Florianópolis: Fundação Boiteux, 2007b.

THOREAU, Henry David. A desobediência civil. Porto Alegre: L&PM, 2012.

ZIZEK, Slavoj. A tinta vermelha: discurso de Slavoj Zizek aos manifestantes do movimento Occupy Wall Street, 2013. Disponível em: http://blogdaboitempo.com.br/2011/10/11/a-tinta-vermelha-discurso-de-slavoj-zizek-aos-manifestantes-do-movimento-occupy-wall-street/. Acesso em: 01 de agosto de 2013.

______. Problemas no paraíso. In: HARVEY, David [et al.]. Cidades Rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013.

______. Um coração maior que a vida. In: Jornal Estadão, de 10/03/2013, São Paulo, 2013b. Disponível em: http://www.estadao.com.br/noticias/suplementos,um-coracao-maior-que-a-vida,1006638,0.htm. Acesso em: 01 de agosto de 2013.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .