A CONSTITUIÇÃO LÍQUIDA: MUTAÇÃO CONSTITUCIONAL E EXPANSÃO DE DIREITOS FUNDAMENTAIS NA HIPERMODERNIDADE

Eduardo Rocha Dias, Ronald Fontenele Rocha

Resumo


O presente artigo parte das ideias de Zygmunt Bauman sobre a Modernidade Líquida e de Gilles Lipovetsky acerca da hipermodernidade e analisa os seus reflexos sobre o fenômeno jurídico, notadamente no que tange à chamada mutação constitucional e à expansão de direitos fundamentais a partir da abertura material de seu catálogo. A metodologia de pesquisa adotada é de natureza teórica, e quanto às fontes, do tipo bibliográfico, com objetivo exploratório, descritivo e explicativo, e abordagem qualitativa. Considerando a historicidade dos direitos e a aceleração própria dos tempos hipermodernos, não é possível exaurir nem engessar a interpretação/concretização constitucional, que precisa acompanhar as mudanças sociais. Para tanto, necessária uma metodologia de trabalho apropriada. No caso brasileiro, a abertura sistêmica dos direitos fundamentais, expressa no art. 5º, §2º da Constituição, sinaliza no mesmo sentido. Entretanto, de outro lado, o reconhecimento da plasticidade constitucional não pode chegar ao ponto de liquefazer por completo a solidez constitucional, sob pena de descambar em decisionismo do intérprete, com consequências deletérias para a normatividade da Constituição, especialmente em tempos de crescente relativismo e extrema instabilidade. Assim, faz-se necessário ressaltar os textos das normas como limites das mutações constitucionais, e a dignidade da pessoa humana como critério de jusfundamentalidade para uma ampliação cautelosa de novos direitos, conferindo à Carta Magna um mínimo de estabilidade, em busca do equilíbrio entre flexibilidade e rigidez. Exemplifica-se com o direito à felicidade, como caso de expansão dos direitos fundamentais descolada de texto ou do sistema normativo.


Palavras-chave


Constituição Líquida; Mutação Constitucional; Direitos Fundamentais; Hipermodernidade

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXY, Robert. Teoria dos direitos fundamentais. Tradução de Virgílio Afonso da Silva. 2. ed. São Paulo: Malheiros, 2015.

ALVARADO, José Tomás. ¿Derecho a la felicidad? Díkaion: Revista de Actualidad Jurídica, Chía, Colômbia, v. 25, n. 2, p. 243-265, dic.2016. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2018.

BAEZ, Narciso Leandro Xavier. Teorias da justiça no âmbito da efetividade dos direitos fundamentais. Revista de Direitos Fundamentais e Democracia, Curitiba, v. 16, n. 16, p. 48-69, jul./dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2018.

BAUMAN, Zygmunt. Legisladores e intérpretes: sobre modernidade, pós-modernidade e intelectuais. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

______. Modernidade líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2018.

BULOS, Uadi Lammêgo. Curso de direito constitucional. 11. ed. São Paulo: Saraiva, 2018.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito constitucional. 6. ed. Coimbra: Almedina, 1993.

COSTA, Cíntia Cleusa. Mutação constitucional dos direitos fundamentais versus insegurança jurídica. Revista Acadêmica Direitos Fundamentais, Osasco, SP, v. 5, n. 5, p.115-131, 2011. Disponível em: . Acesso em: 22 maio 2018.

FALCÃO, Raimundo Bezerra. Hermenêutica. São Paulo: Malheiros, 2000.

FUKUYAMA, Francis. O fim da história e o último homem. Tradução de Aulyde S. Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

JOSÉ, Caio Jesus Granduque. A construção existencial dos direitos humanos. Curitiba: CRV, 2012.

LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. Tradução de Mário Vilela. São Paulo: Barcarolla, 2004.

LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

LOEWENSTEIN, Karl. Teoria de la constitución. 2. ed. Tradução de Alfredo Gallego Anabitarte. Barcelona: Ariel, 1976.

MEINBERG, Marcio Ortiz. Direitos fundamentais e mutação constitucional. 2014. 140 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 maio 2018.

MORIN, Edgar. Para onde vai o mundo? Tradução de Francisco Morás. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

MÜLLER, Friedrich. Métodos de trabalho do Direito Constitucional. 3. ed. Tradução de Peter Naumann. Rio de Janeiro: Renovar, 2005.

NABAIS, José Casalta. A face oculta dos direitos fundamentais: os deveres e os custos dos direitos. Revista Direito Mackenzie, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 9-30, 2002. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2018.

NEVES, Marcelo. Constituição e Direito na modernidade periférica: uma abordagem teórica e uma interpretação do caso brasileiro. Tradução de Antonio Luz Costa. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2018.

POST, Robert C.; SIEGEL, Reva B. Constitucionalismo democrático. In: MENDES, Gilmar Ferreira; GALVÃO, Jorge Octávio Lavocat; MUDROVITSCH, Rodrigo de Bittencourt (Orgs.). Jurisdição constitucional em 2020. São Paulo: Saraiva, 2016. p. 484-495.

SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição Federal de 1988. 8. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.

______. A eficácia dos direitos fundamentais. 5. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.

SOUSA, Pedro Ivo de. L’età dei diritti e dei doveri: per un costituzionalismo libero e responsabile. 2015. Tese (Doutorado em Direito) – Dipartimento di Giurisprudenza, Università Roma Tre, Roma, 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2018.

SUNSTEIN, Cass R.; VERMEULE, Adrian. Interpretation and institutions. John M. Olin Program in Law and Economics Working Paper, Chicago, n. 156, p.1-59, 2002. Disponível em: . Acesso em: 18 maio 2018.

WEBBER, Suelen da Silva. O panprincipiologismo como propulsor da arbitrariedade judicial e impossibilitador da concretização de direitos fundamentais. Revista de Direitos Fundamentais e Democracia, Curitiba, v. 13, n. 13, p. 305-324, jan./jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2018.




DOI: https://doi.org/10.25192/issn.1982-0496.rdfd.v24i11423

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.