NEOLIBERALISMO DE AUSTERIDADE, PERFORMANCE E DISSENSO

Resumo

O artigo analisa o discurso de austeridade fiscal, apresentado pelo neoliberalismo como única solução para superação da crise econômica global de 2008, apesar de sua fragilidade do ponto de vista científico e do enorme sacrifício que representa para as classes sociais menos favorecidas.  A pesquisa, de caráter bibliográfico e documental, utiliza como referenciais teóricos o conceito de narrativa proposto por Jean-François Lyotard e sua análise da teoria dos jogos, elaborada por Ludwig Wittgenstein. Com base nos trabalhos de Michel Foucault e Zigmunt Bauman, demonstra-se que o neoliberalismo de austeridade é uma das narrativas da pós-modernidade cujo critério de legitimação é a melhoria da performance do modelo capitalista. Tal narrativa vem se impondo sobre as demais por meio da eliminação do dissenso e da manipulação do medo existencial. Ao preponderar sobre as demais narrativas, o neoliberalismo de austeridade elimina as diferenças e torna as instituições homogêneas, em um movimento que contrapõe o princípio da eficiência ao princípio democrático. Conclui-se que a alternativa para proteger a democracia, neste momento, é o questionamento das regras do jogo pelos próprios participantes, de forma a se substituírem os lances inovativos – que melhoram a performance do sistema – por lances perturbadores, capazes de promover o dissenso e, assim, alterar as regras do jogo. Esses últimos lances dependem da afirmação de uma multiplicidade de pequenas narrativas, fundadas em códigos particulares que legitimam os jogos de linguagem nas mais diversas áreas do saber.

Biografia do Autor

Ana Maria Isar dos Santos Gomes, Faculdade Mineira de Direito da Pontifícia Universidade Católica de Minas PUC Minas
Doutoranda em Direito na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais PUC Minas. Mestre em Geografia (Gestão Ambiental e Territorial) pela Universidade de Brasília UnB (2013), com dissertação sobre democracia participativa na regularização fundiária urbana. Especialista em Direito Público pelo Instituto Brasiliense de Direito Público IDP (2008). Procuradora do Distrito Federal com atuação nas áreas de Direito Urbanístico, Ambiental e Imobiliário. Membro de Grupo de Pesquisa do Núcleo de Estudos Urbanos e Regionais da UnB vinculado ao CNPQ. Principais áreas de atuação: Direito Constitucional, Direito Urbanístico, Direito Ambiental e Direito Econômico. Publicações recentes: GOMES, Ana Maria Isar dos Santos. O direito à cidade sob uma perspectiva jurídico-sociológica. REVISTA DIREITO GV (ONLINE), v. 14, p. 492-512, 2018; GOMES, Ana Maria Isar dos Santos; SILVA, P. P. A . Participação Política e Construção da Cidadania em Políticas Públicas Espaciais. In: STEINBERGER, M. (Org.). Território, agentes-atores e políticas públicas espaciais. 1a.ed.Brasília: Ler Editora, 2017, v. 1, p. 61-91; COSTA, M. A.; GOMES, Ana Maria Isar dos Santos; ADRIANO, H. S. R. . Política Nacional de Desenvolvimento Urbano: ambivalências, tensões e contradições. In: STEINBERGER, M. (Org.). Território, Agentes-atores e Políticas Públicas Espaciais. 1a.ed.Brasília: Ler Editora, 2017, v. 1, p. 201-226. GOMES, Ana Maria Isar dos Santos; PARDO, D. W. A. ; VILA-NOVA, D. A. D. . Acórdãos do Poder Judiciário (em temáticas de Políticas Públicas Espaciais). In: STEINBERGER, M. (Org.). Território, Agentes-atores e Políticas Públicas Espaciais. 1a.ed.Brasília: Ler Editora, 2017, v. 1, p. 279-305.GOMES, Ana Maria Isar dos Santos; STEINBERGER, Marília. Democracia participativa na regularização fundiária urbana: o projeto Lomba do Pinheiro, Porto Alegre. Sociologias (UFRGS), v. 18, p. 292-319, 2016.
Giovani Clark, Faculdade Mineira de Direito da Pontifícia Universidade Católica de Minas PUC Minas e Faculdade de Direito da UFMG
Possui Doutorado (2000), Mestrado (1990) e Graduação (1986) em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professor da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais nos cursos de Graduação e Pós-Graduação (Mestrado e Doutorado) e da Faculdade de Direito da UFMG (Graduação). Foi Diretor-Presidente da Fundação Brasileira de Direito Econômico (FBDE) de 2007 a 2011. Escritor de diversos artigos jurídicos e de livros, dentre eles: O Município em Face do Direito Econômico, Questões Polêmicas de Direito Econômico (2008); Direito Econômico e a Ação Estatal na Pós-Modernidade (2011). As duas últimas obras foram escritas e coordenadas juntamente com o saudoso jurista Washington Peluso Albino de Souza. Em 2015, organizou a obra: Direito Econômico em Debate, juntamente com os professores Leonardo Alves Corrêa e Samuel Pontes do Nascimento. Por fim, no ano de 2018, organizou, junto com o Prof. Ricardo Antônio Lucas Camargo, o livro Constituição Econômica, Direito Econômico e Direito Comparado - Estudos em Homenagem ao Professor Washington Peluso Albino de Souza pelo centenário de seu nascimento. Entre os 03 artigos mais importantes publicados,  podemos citar os seguinte:  CLARK, Giovani. Política Econômico e Estado. São Paulo: Revista de Estudos Avançados, v. 22, n. 62, , 2008a, p. 207-217;CLARK, Giovani. CORRÊA, Leonardo Alves. NASCIMENTO, Samuel Pontes do. Ideologia Constitucional e Pluralismo Produtivo. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Feder al de Minas Gerais, v. Especial, 2013, p. 265-300.; CLARK, Giovani. CORRÊA, Leonardo Alves. NASCIMENTO, Samuel Pontes do. A Constituição Econômica entre a Efetivação e os Bloqueios Institucionais. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, n, 71, jul/dez 2017,  p. 677-700. Por fim, em relação a publicação de capítulo de livro, podemos citar: A ADI 1950: O Voto Aula do Direito Econômico. In: COSTA, José Augusto F;  ANDRAADE, José Maria A. de; MATSUO, Alexandra M. H. Direito: Teoria e Experiência. Estudo em Homenagem a Eros Roberto Grau. Tomo I. São Paulo: Malheiros, 2013, p. 429-451.

Referências

ANIBAL, Sérgio. Economia mundial abranda e Portugal já está a sentir o impacto. Revista Público, edição digital, 19 dez. 2018. Disponível em:< https://www.publico.pt/2018/12/19/economia/noticia/economia-mundial-abranda-portugal-ja-sentir-impacto-1855186 >. Acessado em 25 jan. 2019.

ANIBAL, Sérgio. Num só dia, o milagre irlandês passou a ser 30% menos impressionante. Revista Público, edição digital, 07 ago. 2017. Disponível em:< https://www.publico.pt/2017/08/07/economia/noticia/num-so-dia-o-milagre-irlandes-passou-a-ser-30-menos-impressionante-1781509 >. Acessado em 25 jan. 2018.

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Tradução de Roberto Raposo. 10ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

BAUMAN, Zygmunt. Tempos Líquidos. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2007.

BARBOSA, Wilmar do Valle. Tempos Pós-Modernos. In: LYOTARD, Jean-François. O Pós-moderno. Tradução Ricardo Corrêa Barbosa. 3ª edição. Rio de Janeiro: Jose Olympio Editora, 1988.

BLYTH, Mark. Austeridade: a história de uma ideia perigosa. Tradução de José Antônio Freitas e Silva. São Paulo: Autonomia Literária, 2017.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Salvar o euro ou salvar a Europa. Folha de São Paulo, São Paulo, 07 mai. 2012. Disponível em:< http://www.bresserpereira.org.br/documento/4925 >. Acessado em 25 jan. 2019.

BROWN, Wendy. Revisando Foucault: homo politicus e homo oeconomicus. In ______. Undoing the Demos: Neoliberalism’s Stealth Revolution. Tradução de Danielle Guizzo Archela, Gustavo Hessmann Dalaqua e Sibele Paulino. Nova Iorque: Zone Books / MIT Press, 2015.

BRUNKHORST, Hauke. A Decapitação do Legislador: a crise europeia – paradoxos da constitucionalização do capitalismo democrático. Tradução Pablo Holmes. Revista Direito.Unb, Brasília, v. 01, n. 01, p. 93-118, jan-jun 2014.

BUGARIC, Bojan. Europe Against the Left? On Legal Limits to Progressive Politics. London School of Economics and Political Science, London, ‘Europe in Question’ Discussion Paper Series, n. 61, mai. 2013. Disponível em:< http://eprints.lse.ac.uk/53186/1/LEQSPaper61.pdf >. Acessado em 25 jan. 2019.

CHAUÍ, Marilena. Multilateralismo. In: Seminário Internacional. Ameaças à Democracia e a Ordem Multipolar. Fundação Perseu Abramo. 14 set. 2018. Rio de Janeiro. Disponível em:< https://www.youtube.com/watch?v=GsuQIAwImsU >. Acessado em 25 jan. 2019.

CLARK, Giovani; CORRÊA, Leonardo Alves; NASCIMENTO, Samuel Pontes do. A Constituição econômica entre a efetivação e os bloqueios institucionais. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, n. 71, p. 677-700, jul./dez. 2017.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. Néolibéralisme et Subjetcitvation Capitaliste. Revista Cités, Paris, n. 41, p. 35-50, 2010. Disponível em:< https://www.cairn.info/revue-cites-2010-1-page-35.htm >. Acessado em 25 jan. 2019.

DWECK, Esther; OLIVEIRA, Ana Luíza Matos; ROSSI, Pedro Rossi (coord.). Austeridade e Retrocesso: Impactos Sociais na Política Fiscal no Brasil. São Paulo: Brasil Debate e Fundação Friedrich Ebert, vol. 1, ago. 2018.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da Biopolítica: curso dado no Collège de France (1978-1979). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

HEINEN, Luana Renostro. A Análise Econômica do Direito de Richard Posner e os pressupostos irrealistas da economia neoclássica. Anais do CONPEDI, Direito e Economia, 2012. Disponível em:< http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=991c0955da231335 >. Acessado em 24 jan. 2019.

JESSOP, Bob. The Heartlands of Neoliberalism and the Rise of the Austerity State. In SPRINGER, S.; BIRCH, K. and MacLeavy, J. (ed.). Handbook of Neoliberalism. London: Routledge, 2016. Disponível em:< http://eprints.lancs.ac.uk/84712/1/F_2016d_Neoliberalism_Heartlands_Preprint.pdf >. Acessado em 25 jan. 2019.

KREUDER-SONNEN, Christian. Beyond Integration Theory: The (Anti‐)Constitutional Dimension of European Crisis Governance. Journal of Common Market Studies, Oxford (UK), volume 54, n. 6, p. 1350–1366, nov. 2016. Disponível em:< https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/jcms.12379 >. Acessado em 11 jan. 2019.

KRUGMAN, Paul. “Como a defesa da austeridade se desfez”. Tradução Mario Zamarian. New York Review of Books/Valor Econômico, edição digital, 14 jun 2013. Disponível em: <http://reformadagestaopublica.org.br/view.asp?cod=5370 >. Acesso em: 24 jan. 2019.

KUHN, Thomas S. A Estrutura das Revoluções Científicas. Tradução Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. São Paulo: Editora Perspectiva, 1998.

KUO, Ming-Sung. The Moment of Schmittian Truth: Conceiving of the State of Exception in the Wake of the Financial Crisis. In: Christian Joerges and Carola Glinski (eds), The European Crisis and the Transformation of Transnational Governance: Authoritarian Managerialism versus Democratic Governance. Oxford: Hart, 2014. Disponível em:< https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2400386 >. Acessado em 23 jan. 2019.

LYOTARD, Jean-François. O Pós-moderno. Tradução Ricardo Corrêa Barbosa. 3ª edição. Rio de Janeiro: Jose Olympio Editora, 1988.

MUMFORD, Lewis. A Cidade na História: suas origens, transformações e perspectivas. Tradução Neil R. da Silva. 4ª edição. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

NEWMAN, Abraham. Austerity and the End of the European Model: How Neoliberals Captured the Continent. Foreign Affairs, edição digital, 01 mai. 2012. Disponível em:< https://www.foreignaffairs.com/articles/europe/2012-05-01/austerity-and-end-european-model >. Acessado em 24 jan. 2019.

NUNES, António José Avelãs. A Crise Atual do Capitalismo: capital financeiro, neoliberalismo, globalização. São Paulo, Revista dos Tribunais, 2012.

______ . O Euro: das promessas do paraíso às ameaças de austeridade perpétua. Boletim de Ciências Econômicas, Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Coimbra, n. LVI, p. 3-166, 2013.

PINTO, Paulo Ribeiro. Recessão grega três vezes mais destrutiva que em Portugal. Revista Dinheiro Vivo, edição digital, 19 ago. 2018. Disponível em:< https://www.dinheirovivo.pt/internacional/recessao-grega-tres-vezes-mais-destrutiva-que-em-portugal/ >. Acessado em 25 jan. 2019.

RODGERS, Lucy, STYLIANOU, Nassos. Em números: Como a crise piorou a vida dos gregos. Revista BBC News, edição digital, 18 jul. 2015. Disponível em:< https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/07/150716_situacao_grecia_rb >. Acessado em 25 jan. 2019.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A Difícil Democracia: reinventar as esquerdas. São Paulo: Boitempo, 2016.

SOUZA, Washington Peluso Albino de. Primeiras Linhas de Direito Econômico. São Paulo: LTR, 2017.

WHITE, Jonathan. Emergency Europe. Revista Political Studies, London, vol. 63, p. 300-318, 2015.

WILKINSON, Michael A. The Specter of Authoritarian Liberalism: Reflections on the Constitutional Crisis of the European Union. German Law Journal, Frankfurt, vol. 14, n. 5, 2013. Disponível em:< http://www.germanlawjournal.com/volume-14-no-05/ >. Acessado em 24 jan. 2019.

ECONOMIA portuguesa cresceu 2,1%, abaixo das previsões do Governo. Revista Observador, edição digital, 14 fev. 2019. Disponível em:< https://observador.pt/2019/02/14/ine-crescimento-economico-portugues-cresceu-21-em-2018/ >. Acesso em 25 abr. 2019.

Publicado
2021-04-29