A FUNÇÃO SIMBÓLICA DO DIREITO PENAL E SUA APROPRIAÇÃO PELO MOVIMENTO FEMINISTA NO DISCURSO DE COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER A SYMBOLIC FUNCTION OF CRIMINAL LAW AND ITS APPROPRIATION BY FEMINIST MOVEMENT IN THE DISCOURSE OF COMBATING VIOLENCE AGAINST

  • Eduarda Toscani Gindri Centro Universitário Franciscano
  • Marília de Nardin Budó Faculdade Meridional (IMED-Passo Fundo-RS)
Palavras-chave: Violência Doméstica, Criminologia Crítica, Direito Penal Simbólico. Keywords, domestic violence, Critical Criminology, Symbolic Criminal Law

Resumo

Resumo: O presente artigo visa compreender se o movimento feminista, ao abordar a abrangência da Lei Maria da Penha, apropria-se e legitima a função simbólica do Direito Penal. Para isso, partiu-se do marco teórico da Criminologia Crítica e do paradigma de gênero, compreendendo o Direito Penal Simbólico e suas críticas. Em um segundo momento, foi realizada uma pesquisa empírica em 32 postagens de 6 blogs feministas, através da metodologia da Análise do Discurso. Concluiu-se que o discurso do Direito Penal Simbólico, percebido com o predomínio das funções simbólicas sobre as funções reais e instrumentais do direito, está presente no discurso do movimento feminista. No entanto, no discurso das blogueiras analisadas, elas apresentam críticas ao sistema penal, em especial à questão dos preconceitos machistas e racistas dos agentes. Ainda assim, requerem a expansão do sistema, o agravamento das penas e a tipificação de novos crimes, o que leva a crer que suas críticas estão fundadas numa abordagem conjuntural da deslegitimação do sistema de controle penal.

Abstract: The present aticle aims to understand if the feminist movement, when addressing the extent of the Maria da Penha Law, appropriates and legitimizes the symbolic function of criminal law? For this, we started with the theoretical mark of Critical Criminology and the gender paradigm, understanding the Symbolic Criminal Law its critics. In a second step, the empirical research was conducted in 32 posts from 6 feminist blogs, through the methodology of discourse analysis. It was concluded that the discourse of Symbolic Criminal Law, conceptualized as the predominance of symbolic functions above the real and instrumental functions of law, is present in the feminist movement discourse. However, in the speech of bloggers analyzed, they have criticized the criminal justice system, particularly the issue of sexist and racist prejudices of its agents. Still, they require system expansion, aggravation of penalties and the typification of new crimes, which suggests that their criticisms are based on a conjunctural approach of the delegitimization of penal control system.

 

Biografia do Autor

Eduarda Toscani Gindri, Centro Universitário Franciscano
Graduada em Comunicação Social - Habilitação Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Maria e em Direito pelo Centro Universitário Franciscano.
Marília de Nardin Budó, Faculdade Meridional (IMED-Passo Fundo-RS)
Professora do Programa de pós-graduação em direito da Faculdade Meridional (IMED-Passo Fundo-RS).Doutora em direito pela Universidade Federal do Paraná. Mestre em direito pela Universidade Federal de Santa Catarina. Especialista em Pensamento político brasileiro pela Universidade Federal de Santa Maria. Graduada em Direito e Comunicação Social - Jornalismo pela UFSM

Referências

AKOTIRENE, Carla. Mulheres e Negros: que as leis não os separem. 20 de dezembro de 2013. Disponível em < http://blogueirasnegras.org/2013/12/20/mulheres-negros-leis-nao-separem/>. Acessado em 11 de março de 2015.

ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Da domesticação da violência doméstica: politizando o espaço privado com a positividade constitucional. Discursos Sediciosos: crime, direito e sociedade. Rio de Janeiro: Instituto Carioca de Criminologia, 1997, p. 99-101.

______. A ilusão da segurança jurídica: do controle da violência a violência do controle penal. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2003.

______. A soberania patriarcal: o sistema de justiça criminal no tratamento da violência sexual contra a mulher. Revista sequência, nº 50, julho de 2005 p. 71-102.

_____. Pelas mãos da criminologia: o controle penal para além da (des) ilusão. Rio de Janeiro: Revan, 2012.

ARONOVICH, Lola. Lei Maria da Penha Vs. Os homens retrógrados. 8 de agosto de 2011 a. Disponível em <http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2011/08/lei-maria-da-penha-vs-os-homens.html>. Acessado em 11 de março de 2015.

______. Violência doméstica, esta chaga da sociedade. 25 de novembro de 2011b. Disponível em <http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2011/11/violencia-domestica-esta-chaga-da.html>. Acessado em 11 de março de 2015.

______. Um pouquinho de tudo. 23 de setembro de 2012 a. Disponível em <http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2012/09/um-pouquinho-de-tudo.html>. Acessado em 11 de março de 2015.

______. Você está numa situação de abuso. 04 de fevereiro de 2012b. Disponível em <http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2013/02/voce-esta-numa-situacao-de-abuso.html>. Acessado em 11 de março de 2015.

______. Aquela mulher lutou muito para não morrer. 25 de outubro de 2013 a. Disponível em <http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2013/10/aquela-mulher-lutou-muito-para-nao.html>. Acessado em 11 de março de 2015.

______. "Não me perdoo pelas pessoas que estuprei". 7 de agosto de 2013b. Disponível em <http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2013/08/nao-me-perdoo-pelas-pessoas-que-estuprei.html>. Acessado em 11 de março de 2015.

______. "Ser eu é difícil", diz menina de 13 anos. 2 de setembro de 2013c. Disponível em <http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2013/09/ser-eu-e-dificil-diz-menina-de-13-anos.html>. Acessado em 11 de março de 2015.

______. A pornografia da revanche vindo com tudo. 8 de março de 2014. Disponível em <http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2013/11/a-pornografia-da-revanche-vindo-com-tudo.html>. Acessado em 11 de março de 2015.

ARRAES, Jarid. 8 anos de Lei Maria da Penha: ainda faltam mais denúncias. 07 de agosto de 2014. Disponível em <http://www.revistaforum.com.br/questaodegenero/2014/08/07/8-anos-de-lei-maria-da-penha-ainda-faltam-mais-denuncias/>. Acessado em 11 de março de 2015.

ATHAYDE, Thays. Não vá sozinha à Delegacia da Mulher. 8 de agosto de 2013. Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2013/08/nao-va-sozinha-a-delegacia-da-mulher/>. Acessado em 11 de março de 2015.

BARSTED, Leila Linhares. Lei Maria da Penha: uma experiência bem-sucedida de advocacy feminista In: CAMPOS, Carmen Hein de (org.) Lei Maria da Penha comentada em uma perspectiva jurídico feminista. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011, p. 13-38.

BARATTA, Alessandro. Funções instrumentais e simbólicas do direito penal. Lineamentos de uma teoria do bem jurídico. Revista Brasileira de Ciências Criminais, Ano 2, n. 5 – jan.1994.

BARATTA, Alessandro. O paradigma de gênero: da questão criminal à questão humana. In: CAMPOS, Carmen Hein Campos (org). Criminologia e Feminismo. Porto Alegre: Sulina, 1999, p. 19-80.

BARATTA, Alessandro: Criminologia crítica e crítica do direito penal. 3 ed. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2002.

BATISTA, Nilo. Só Carolina não viu - violência doméstica e políticas criminais no Brasil In: MELO Adriana (Org.) Comentários à Lei de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007. Disponível em <http://www.crprj.org.br/publicacoes/Jornal/jornal17-nilobatista.pdf>. Acessado em 11 de março de 2015.

BECKER, Howard S. Outsiders: estudos de sociologia do desvio. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

BENETTI, Marcia. Análise do Discurso em Jornalismo: estudo de vozes e sentidos. In: LAGO, Cláudia; BENETTI, Marcia (org.). Metodologias de pesquisa em jornalismo. Petrópolis: Vozes, 2007

BOIX, Montserrat; MIGUEL, Ana de: Os gêneros da rede: os ciberfeminismos In: NATANSOHN, Graciela (org.) Internet em código feminino: teorias e práticas. Buenos Aires: La Crujía: 2013, p. 39-75

BUDÓ, Marília de Nardin. Mídia e teoria da pena: crítica à teoria da prevenção geral positiva para além da dogmática penal. Revista Brasileira de Ciências Criminais, v. 101, p. 389-426, 2013.

CALAZANS, Myllena; CORTES; Iáris. O processo de criação, aprovação e implementação da Lei Maria da Penha. In: CAMPOS, Carmen Hein de (org.) Lei Maria da Penha comentada em uma perspectiva jurídico feminista. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011, p. 39-64.

CARDOSO, Bia. Seis anos de Lei Maria da Penha. 07 de agosto de 2012 . Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2012/08/seis-anos-de-lei-maria-da-penha/>

. Acessado 11 de março de 2015.

_______. Por que a Lei Maria da Penha é importante? 14 de março de 2011. Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2011/03/importancia-lei-maria-da-penha/> Acessado 11 de março de 2015.

CAROLINE, Priscilla. A violência contra as mulheres negras. 12 de novembro de 2012. Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2012/11/a-violencia-contra-as-mulheres-negras/> Acessado 11 de março de 2015.

CAMPOS, Carmen Hein de. Razão e Sensibilidade: Teoria Feminista do Direito e Lei Maria da Penha In: CAMPOS, Carmen Hein de (org.) Lei Maria da Penha comentada em uma perspectiva jurídico feminista. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011, p. 1-12.

CAMPOS, Carmen Hein de; CARVALHO, Salo de. Tensões atuais entre a criminologia feminista e a criminologia crítica e a experiência brasileira In: CAMPOS, Carmen Hein de (org.) Lei Maria da Penha comentada em uma perspectiva jurídico feminista. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011, p. 143-172.

COHEN, Stanley. Visiones del control social: Delitos, castigos y clasificaciones. Barcelona: PPU, 1988.

CONVENÇÃO Interamericana parra prevenir, punir e erradicar a violência contra a mulher – Convenção de Belém do Pará. Brasil, 9 de junho de 1994. Disponível em <http://www.cidh.org/Basicos/Portugues/m.Belem.do.Para.htm> Acessado 11 de março de 2015.

DEMO, Pedro. Introdução à metodologia da ciência. São Paulo, SP: Atlas, 1983. 118 p.

ELES não nos querem aqui. 7 de agosto de 2014. Disponível em <http://thinkolga.com/2014/08/07/eles-nao-nos-querem-aqui/>. Acessado 11 de março de 2015.

FERRAJOLI, Luigi. Direito e Razão: teoria do garantismo penal. 2ª Ed. São Paulo: Revistas dos Tribunais, 2006

FIGUEIREDO, Ticiane. Lésbicas e trans também são vítimas de violência doméstica. 07 de agosto de 2013. Disponível em: <http://blogueirasfeministas.com/2013/08/lesbicas-e-trans-tambem-sao-vitimas-de-violencia-domestica/> Acessado em 11 de março de 2015.

FONTHES, Janethe. 7 anos de Lei Maria da Penha: O que mudou?. 6 de agosto de 2013. Disponível em: <http://blogueirasfeministas.com/2013/08/7-anos-de-lei-maria-da-penha-o-que-mudou/>.Acessado em 11 de março de 2015.

FREITAS, Lúcia Rolim Santana de; GARCIA, Leila Posenato; HÖFELMANN, Doroteia Aparecida; SILVA, Gabriela Drummond Marques. Violência contra a mulher: feminicídios no Brasil. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2013. Disponível em <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/130925_sum_estudo_feminicidio_leilagarcia.pdf>. Acessado em 11 de março de 2015.

GAVENAS, Cláudia. Bato na mesma tecla por que é necessário. 15 de junho de 2011. Disponível em: <http://blogueirasfeministas.com/2011/06/bato-na-mesma-tecla-porque-e-necesario/>. Acessado em 11 de março de 2015.

GOMES, Camilla de Magalhães. De Eva a Maria da Penha. 8 de dezembro de 2010. Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2010/12/de-eva-a-maria-da-penha/> Acessado em 11 de março de 2015.

______. Direito e Gênero: entre teoria e realidade. 16 de março de 2012 a. Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2012/03/direito-e-genero-entre-teoria-e-realidade/>. Acessado em 11 de março de 2015.

______. Por que a Lei Maria da Penha só protege a mulher. 9 de agosto de 2012b. Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2012/08/por-que-a-lei-maria-da-penha-so-protege-a-mulher/> Acessado em 11 de março de 2015.

______. Lei Maria da Penha e as promessas não cumpridas do Sistema de Justiça Criminal. 2 de outubro de 2013 a. Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2013/10/lei-maria-da-penha-e-as-promessas-nao-cumpridas-pela-justica-criminal/> Acessado em 11 de março de 2015.

______.Quem é a mulher vulnerável e hipossuficiente. 5 de julho de 2013b. Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2013/07/quem-e-a-mulher-vulneravel-e-hipossuficiente/> Acessado em 11 de março de 2015.

HULSMAN, Louk. El enfoque abolicionista: Políticas criminales alternativas. Revista NeoPanopticum: derecho, criminología y ciencias sociales. 1993. P. 75–104.

JAKOBS, Günter. Dogmática penal y la configuración normativa. Madrid: Civitas, 2004.

KARAM, Maria Lúcia. A esquerda punitiva. In: Discursos Sediciosos: crime, direito e sociedade, ano 1, número 1, 1º semestre de 1996 p. 79 -92

KANUPP, Isabela. Informação é poder: oito anos de Lei Maria da Penha. 30 de setembro de 2014. Disponível em <http://parabeatriz.com/informacao-e-poder-oito-anos-de-lei-maria-da-penha-por-cynthialice-hoss-rocha/> Acessado em 11 de março de 2015.

LARRAURI, Elena. La herencia de la criminología crítica. Madri: Siglo Veintiuno Editores, 1991.

LIMA, Renata. Lei Maria da Penha: a proteção na prática. 4 de fevereiro de 2011. Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2011/02/lei-maria-da-penha-a-protecao-na-pratica/> Acessado em 11 de março de 2015.

______. Dilemas: decisão do STF sobre a Lei Maria da Penha e a autonomia da vítima. 15 de fevereiro de 2012 a. Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2012/02/decisao-do-stf-sobre-a-lei-maria-da-penha/> Acessado em 11 de março de 2015.

______. Lei Maria da Penha: Um pequeno e despretensioso guiam prático. 08 de agosto de 2012b. Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2012/08/lei-maria-da-penha-um-pequeno-e-despretensioso-guia-pratico/> Acessado em 11 de março de 2015.

LOPES, Barbara. Por que o Feminismo é um movimento político. 10 de março de 2011. Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2011/03/por-que-o-feminismo-e-um-movimento-politico/> Acessado em 11 de março de 2015.

LUHMANN, Niklas. Sociologia do direito. v. I. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983.

MORENO, Tica. #8demarço: Mulheres em Luta. 6 de março de 2011 a. Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2011/03/mulheres-em-luta/> Acessado em 11 de março de 2015.

______. Os Lírios não nascem da lei. 01 de agosto de 2011b. Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2011/08/os-lirios-nao-nascem-da-lei/> Acessado em 11 de março de 2015.

OLIVEIRA, Niara de. A decisão do STF sobre a Lei Maria da Penha e as vitórias a serem comemoradas. 2 de março de 2012. Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2012/03/decisao-do-stf-sobre-a-lei-maria-da-penha-2/>. Acessado em 11 de março de 2015.

OLSEN, Frances. El sexo del derecho. Publicado em David Kairys (ed.), The Politics of Law (Nueva York, Pantheon, 1990), pp.452-467.Tradução para espanhol de Mariela Santoro y Christian Courtis disponível em: <http://www.derechoshumanos.unlp.edu.ar/assets/files/documentos/el-sexo-del-derecho.pdf>

Acessado em 11 de março de 2015.

ORLANDI, Eni. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 3.ed. Campinas: Pontes, 2001.

ORIHUELA, José Luis. Blogs e Blogsfera: o meio e a comunidade. In: ORDUÑA, Octavio I. Rojas (et al.) Blogs: revolucionando os meios de comunicação. São Paulo: Thomson Learning, 2007, p. 1-20

PAIVA, Iara. Protocolo para Justiça de gênero. 15 de abril de 2014 Disponível em <http://blogueirasfeministas.com/2014/04/protocolo-para-a-justica-de-genero/> Acessado em 11 de março de 2015.

PRATT, John. Penal Populism: key ideas in criminology. Routledge: Nova York, 2007

RIPOLLÉS, José Luiz Díez. El derecho penal simbólico y los efectos de la pena In: ZAPATERO, Luis Arroyo; NEUMANN, Ulfrid; MARTÍN, Adaín Nisto (Orgs). Crítica y justificación del derecho penal en el cambio de sigro: Ediciones de la Universidade de Castilla-La Macha, 2003. 147-172

SAFFIOTI, Heleieth. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. Em busca das penas perdidas: a perda de legitimidade do sistema penal. Tradução de: Vânia Romano Pedrosa & Almir Lopes da Conceição. Rio de Janeiro, Revan, 1991.

Publicado
2015-11-30
Seção
As inconsistências da democracia brasileira