Liberdade política como direito fundamental na perspectiva do republicanismo

  • Camilo Onoda Luiz Caldas Universidade São Judas Tadeu Escola Paulista de Direito (EPD)
Palavras-chave: Direitos Fundamentais, Republicanismo, Liberdade, Política, Filosofia.

Resumo

A defesa da liberdade política e dos ideais republicanos – valores presentes na Constituição Federal do Brasil – se torna algo vazio de conteúdo caso tais conceitos não sejam adequadamente compreendidos. O presente artigo tem por objetivo esclarecer os principais aspectos do discurso republicano moderno que concebe a liberdade política como direito fundamental. O texto realiza três movimentos que evidenciam a proposta metodológica da pesquisa bibliográfica adotada. O primeiro descreve resumidamente como a liberdade e a igualdade eram pensadas na antiguidade greco-romana. O segundo se apoia no primeiro para apresentar um contraste entre a concepção de liberdade política antiga e a moderna, evidenciando a mudança de pensamento que emerge com o pensamento liberal.  O terceiro movimento estabelece quais os pontos fundamentais que distinguem o pensamento republicano da perspectiva política liberal no campo político. Ao final, será possível observar que para o republicanismo moderno a existência da liberdade decorre de instituições e leis que garantam a ausência de dominação e depende da preservação do espaço privado, do desenvolvimento da virtude cívica e da universalização da cidadania ativa.

Biografia do Autor

Camilo Onoda Luiz Caldas, Universidade São Judas Tadeu Escola Paulista de Direito (EPD)

Bacharel em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP).

Bacharel em Direito e Mestre em Direito Político e Econômico pela Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Doutor em Filosofia e Teoria Geral do Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

Pós-Doutor em Democracia e Direitos Humanos pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (Portugal).

Diretor do Instituto Luiz Gama, instituição voltada a defesa dos direitos humanos.

Professor de Filosofia e Teoria Geral do Direito da Universidade São Judas Tadeu e dos cursos de Pós-graduação da Escola Paulista de Direito (EPD).

Referências

ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. Roberto Raposo. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

ARISTÓTELES. Política. 3ª ed. Trad. Mário da Gama Kury. Brasília: Unb, 1997.

BARROS, Alberto Ribeiro de. Direito nacional e Estado moderno. In: Cadernos de Ética e filosofia política. São Paulo: Universidade de São Paulo, n. 6, 1. sem., 2005.

___________. Do poder dos antigos à soberania dos modernos. In: O poder. São Paulo: Educ, Palas Atenas, 2000. (Revista Hypnos, n. 6).

BERLIN, Isaiah. Quatro Ensaios sobre a Liberdade. Trad. Wamberto Hudson Ferreira. Brasília: UNB, 1981. (Coleção Pensamento Político).

BIGNOTTO. Newton. Origens do republicanismo moderno. Belo Horizonte: Humanistas, 2001.

BOBBIO, Norberto. Existe uma doutrina marxista de Estado? In: ARAÚJO, Braz José; FIGUEIREDO, Eurico de Lima (org.). O marxismo e o Estado. Trad. Federica L. Boccardo e Rennée Levie. Rio de Janeiro: Graal, 1979. (Coleção biblioteca de ciências sociais, v. 8).

CARDOSO, Sérgio (Org.). Retorno ao republicanismo. Belo Horizonte: UFMG, 2004.

CASTRO, Celso Antonio Pinheiro de. FALCÃO, Leonor Peçanha. Ciência política – Uma introdução. São Paulo: Atlas, 2004.

CERRONI, Umberto. Introducción al pensamiento político. Tradução de Arnaldo Córdova. [México]: Siglo Vientiuno, 1967.

___________ La libertad de los modernos. Trad. R. de la Iglesia. Martinez Roca: Barcelona, 1972.

___________ (Pref.). La prospettiva del comunismo. Roma: Riuniti, 1978.

___________ Marx y el derecho moderno. Buenos Aires: Jorge Alvarez, 1965.

___________ Política. Trad. Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Brasiliense, 1993.

CHAUÍ, Marilena. Introdução à história da filosofia. 2ª ed. rev. e ampl. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. (Volume 1).

CONSTANT, Benjamin. A Liberdade dos Antigos Comparada com a dos Modernos. In: Filosofia Política. Porto Alegre: L&PM, 1985, v.2.

___________. Escritos de política. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

COULANGES, Fustel de. A Cidade antiga: estudos sobre o culto, o direito e as instituições da Grécia e de Roma. Trad. Edson Bini. 3. ed. São Paulo: Edipro, 2001.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de teoria geral do Estado. 20ª ed. São Paulo: Saraiva, 2000.

FERRAZ JR, Tercio Sampaio. Introdução ao estudo de direito: técnica, decisão e dominação. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2001.

FINLEY, Moses. Democracy ancient and modern. New Brunswick: Rutgers University Press, 1985.

GOBBI, Hugo Javier. Integração e liberdade: uma reflexão histórica. Rev. bras. polít. int., Brasília , v. 44, n. 1, p. 155-164, Junho 2001 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73292001000100012&lng=en&nrm=iso>. Aceso em 22 set. 2015.

HANSEN, Mogens Herman. The Athenian democracy in the age of Demosthenes. Norman: University of Oklahoma Press, 1999.

HOBBES, Thomas. O Leviatã. Trad. João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva. São Paulo: Nova cultural, 1988. (Coleção Os Pensadores, v. 1).

HUMBERT, Michel, Droit et religion dans la Rome antique. In: Mélanges Felix Wubbe. Fribourg: Editions universitaires, 1993.

KANT, Immanuel. A metafísica dos costumes. Trad. Edson Bini. São Paulo: Edipro, 2003.

LOCKE, John. Dois tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PLATÃO. República. Trad. Enrico Corvisieri. São Paulo: Nova Cultural, 2000.

MASCARO, Alysson Leandro. Filosofia do direito. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

___________ Introdução ao estudo do direito. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2015.

___________. Introdução à filosofia do direito: dos modernos aos contemporâneos. São Paulo: Atlas, 2002.

MELLO, Leonel Itaussu Almeida. John Locke e o individualismo liberal. In: WEFFORT, Francisco. Clássicos da Política. 13ª ed. São Paulo: Ática, 2002, v. 1.

MAQUIAVEL, Nicolau. Comentários sobre a primeira década de Tito Lívio. Trad. Sérgio Bath. Brasília; São Paulo: UnB: Imprensa Oficial do Estado, 2000.

NAVES, Márcio Bilharinho. Marxismo e Direito: um estudo sobre Pachukanis. São Paulo: Boitempo, 2000.

___________. A questão do direito em Marx. São Paulo: Outras Expressões / Dobra Editorial, 2014.

SKINNER, Quentin. The idea of negative liberty: philosophical and historical perspectives. In: RORTY, Richard et al (Ed.). Philosophy in History: essays on the historiography of philosophy. New York : Cambridge University Press, 1998.

SILVA, Filipe Carreira da. Virtude e Democracia: um ensaio sobre idéias republicanas. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2004.

VIROLI, Maurizio. Republicanism. Trad. Antony Shugaar. New York: Hill and Wang, [2002].

VITALE, Denise. Governo de leis e democracia na pólis grega. In: Revista Direito e Sociedade. Catanduva: Fundação Padre Albino, n. 1, p. 125-136, 2006.

Publicado
2017-12-08