DIÁLOGOS INTERCULTURAIS: VARIAÇÕES DO CONCEITO DE DIVERSIDADE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA ATRAVÉS DE DISPOSITIVOS DIGITAIS

  • Ricardo Damasceno Moura UFPA
  • Monica Prates Conrado UFPA
Palavras-chave: Diálogos interculturais. Diversidade e inclusão. Dispositivos digitais.

Resumo

Este artigo faz uma análise do acesso às novas tecnologias de informação e comunicação nos processos de inclusão da pessoa com deficiência. Em seguida, examina conceitos de diversidade e seu diálogo por meio de discursos e práticas sociais, introduzindo reflexões acerca da desmistificação do “diferente”, ampliando, dessa forma espaços para a influência da tecnologia como promotora de standards de respeito e reconhecimento das diferenças. A capacidade que oferece a tecnologia para a acessibilidade da pessoa com deficiência, também tem despertado inquietudes no que diz respeito a sua participação na atual “democracia eletrônica”.O recorte da pesquisa é identificar como a acessibilidade digital amplia a compreensão do próprio conceito de “diferença”. Tal recorte objetivou realizar uma análise interdisciplinar num contexto de inclusão/exclusão. Convém ressaltar que, este trabalho se caracteriza por sua relevância social, na medida em que poderá servir também para subsidiar planos, programas e projetos educacionais para o trato da temática, como também contribuir para despertar uma atitude de enfrentamento à discriminação e o preconceito, de uma ação de comprometimento social que nos leve a exigir dos órgãos responsáveis a formulação de políticas públicas permanentes de inclusão social e acesso da pessoa com deficiência.

Biografia do Autor

Ricardo Damasceno Moura, UFPA

Acadêmico do Curso de Direito.Especialista em Populações Indígenas da Amazônia –Universidade Federal do Pará (UFPA). Pós-graduação em Educação a Distância pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). João Pessoa, PB – Brasil. Especializando da Pós-Graduação em Libras na Inclusão( FIBRA).Avaliador do Prêmio Itáu-UNICEF(CENPEC).

Monica Prates Conrado, UFPA

Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1990) e Doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (2001). Atualmente é professora Associada II da Universidade Federal do Pará atuando como docente na Graduação em Ciências Sociais, na Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia e no Mestrado em Direitos Humanos do Curso de Pós-Graduação em Direito. Possui Pós-Doutorado em Antropologia pela Universidade de York, Toronto, Canadá. Visiting Professor at Centre for Research on Latin America and the Caribbean - CERLAC (2014). Tem experiência na área de Sociologia, Antropologia e Direitos Humanos, trabalhando com os temas: gênero e violência, relações raciais, juventudes, gênero e sexualidade. É lider do Grupo NOS MULHERES. Pela Equidade de Gênero Etnicorracial/UFPA.

Referências

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. 10ª ed. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2001.

BOBBIO, Norberto. A era de direitos. Nova edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

CAPOVILLA, F. C. Pesquisa e desenvolvimento de novos recursos tecnológicos para educação especial: boas novas para pesquisadores, clínicos, professores, pais e alunos. Boletim Educação UNESP, n. 1, 1997.

_____________, E. C., Duduchi, M., Thiers, V. O., Seabra, A. G. & Guedes, M. (1994). Instrumento computadorizado para exploração de habilidades linguísticas e de comunicação simbólica em paralisia cerebral sem comprometimento cognitivo. Bliss-Comp v40s. Resumos do I Encontro de Técnicas de Exame Psicológico:Ensino, Pesquisa e Aplicações. São Paulo.

CANDAU, Vera Maria. Pluralismo Cultural, cotidiano escolar e formação de professores. In CANDAU, Vera Maria ( org.). Magistério: construção cotidiana. Rio de Janeiro: Vozes, 1997.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede - 6ª edição, São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CURY, Carlos Roberto Jamil, A Educação Básica no Brasil. Revista Educação e Sociedade, Campinas: Cedes, v.23, n.80, 2002.

DEMO, Pedro. Educação e conhecimento: relação necessária, insuficiente e controversa. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

DAYRELL, J. A escola como espaço sócio-cultural; in: Dayrell, J. Múltiplos Olhares sobre Educação e Cultura Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007.

FREIRE, Paulo. Conscientização, teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez & Morales, 1980.

FREIRE, F. M. P. Educação Especial e recursos da informática: superando antigas dicotomias. Artigo Biblioteca Virtual, 2000. Disponível em: .

GOMES, Joaquim Barbosa. Ação afirmativa e princípio constitucional da igualdade. Rio de Janeiro/São Paulo: Renovar, 2001.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11ª ed. Rio de Janeiro: DP & A Editora, 2006.

JORDÁN, J. A. Propuestas de Educación Intercultural. Barcelona: CEAC,1996.

LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Record, 1998.

MACHADO, Lourdes Marcelino; OLIVEIRA, Romualdo Portela de. Direito à educação e legislação de ensino. In: WITTMANN, Lauro Carlos e PRADO JÚNIOR, Caio. História Econômica do Brasil - 38ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1990.

MACIEIRA,Waldir da Costa Filho.Marco Civil da Internet. Direito fundamental à acessibilidade ao usuário com impedimentos físicos-motores, perceptivos, sensoriais, intelectuais e mentais.São Paulo: Atlas, 2014.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa Social: Teoria, Método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

REALE, Miguel. Filosofia do Direito - 19ª ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

WALSH, Catherine. La educación intercultural em la Educación. Ministério de Educación. Peru, 2001.

SAWAIA, Bader et al.(Orgs.). As artimanhas da exclusão social: análise psicossocial e ética da desigualdade social. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

SANTOS, B. S. Para uma sociologia das ausências e das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, 2002.

SPOZATI, Adaíza. Globalização da Economia e Processos de Exclusão Social.Capacitação em serviço social e política social; Crise Contemporânea, Questão social e Serviço Social. Brasilia: Cead, 1999.

ZAQUEU, Livia da Conceição Costa, Política Educacional Inclusiva. São Luiz: UFMA/NEAD, 2012.

Publicado
2017-12-08