ROMPENDO O SILÊNCIO: A IMPORTÂNCIA DA RESISTÊNCIA DAS MULHERES CONTRA AS DITADURAS NO BRASIL E NA ARGENTINA

Resumo

A história das mulheres é, não raras vezes, esquecida e desvalorizada, ainda mais quando se fala nos regimes ditatoriais vividos pelos países do Cone Sul. Assim, dando especial foco para o Movimento Feminino pela Anistia (MFA) e para a associação das Madres e Abuelas de Plaza de Mayo, este trabalho se propõe a analisar a participação das mulheres na organização de grupos civis de proteção aos direitos humanos durante o período autoritário vivido no Brasil e na Argentina. Para mais, procurou-se entender como tais organizações surgiram, como atuaram e quais foram as consequências dessa mobilização. Na metodologia utilizou-se pesquisa bibliográfica, numa abordagem qualitativa, abrangendo a leitura e análise de obras doutrinárias e artigos. Os resultados do trabalho apontam que a participação das mulheres na luta contra repressão foi inovadora, pois ia de encontro ao que se esperava da mulher nas décadas de 1960 e 1970.  Apesar da pouca importância dada pelas narrativas históricas para esses grupos de mulheres, observa-se que sua atuação foi de fundamental importância para a superação do regime autoritário nos países estudados.

 

Biografia do Autor

Doglas Cesar Lucas, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUI/ Instituto Cenecista de Ensino Superior de Santo Ângelo - IESA
Possui graduação em Direito pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ (1998), mestrado em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001), Doutorado em Direito pela UNISINOS (2008) e Pós-Doutorado em Direito pela Università Degli Studi di Roma Tre (2012). É professor dos Cursos de Graduação e de Mestrado em Direito na Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - Unijui e professor tempo parcial no Curso de direito da Faculdade Cnec Santo ângelo. Professor do mestrado e doutorado da URI. Editor chefe da Revista Direito em Debate (B1)
Carla Dóro de Oliveira

Mestra em Direitos Humanos pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – Unijuí. Advogada. E-mail: carladorodeoliveira@gmail.com.

Referências

ABRÃO, Paulo. A Lei de Anistia no Brasil: as alternativas para a verdade e para a justiça. Acervo: Revista do Arquivo Nacional, Rio de Janeiro, RJ, vol. 24, n. 1, p. 119-138, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://www.revistaacervo.an.gov.br/seer/index.php/info/issue/view/39>. Acesso em: 03 jun. 2015.

ABUELAS DE PLAZA DE MAYO. Disponível em: <https://abuelas.org.ar/>. Acesso em: 19 jun. 2016.

ARANTES, Maria Auxiliadora de Almeida Cunha. Resistência e dor. In: MERLINO, Tatiana; OJEDA, Igor (orgs.). Direito à memória e à verdade: Luta, substantivo feminino. São Paulo: Caros Amigos, 2010. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/dados/livros/dh/livro_sedh_mulheres_ditadura.pdf. Acesso em: 02 jun. 2016.

ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO. Brasil: Nunca Mais. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 1986.

BARRANCOS, Dora. Mujeres, entre la casa y la plaza. Buenos Aires: Sudamericana, 2008.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: fatos e mitos. Tradução de Sérgio Milliet. 8. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

COLLING, Ana Maria. A resistência da mulher à ditadura militar no Brasil. Rio de Janeiro: Record; Rosa dos Tempos, 1997.

COSTA, Ana Alice Alcântara. O feminismo brasileiro em tempos de ditadura militar. In: PEDRO, Joana Maria; WOLFF, Cristina Scheibe (orgs.). Gênero, feminismos e ditaduras no Cone Sul. Florianópolis: Mulheres, 2010. Disponível em: <https://bibliotecaonlinedahisfj.files.wordpress.com/2015/03/03062011-101945feminismo-e-ditadurasfinal2.pdf>. Acesso em: 05 jun. 2016.

______. O movimento feminista no Brasil: dinâmicas de uma intervenção política. In: MELO, Hildete Pereira de (et al). Olhares feministas. Brasília: Ministério da Educação, 2006.

DELGADO, Andrés. Memory and truth in human rights: the Argentina case. The issue of truth and memory in the aftermath of gross human rights violations in Argentina. 2012. 78 f. Dissertação (Mestrado em Artes) – Faculdade de Artes e Ciências, Universidade do Sul da Flórida, Tampa, Flórida (EUA). Disponível em: <http://scholarcommons.usf.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=5502&context=etd>. Acesso em: 02 jun. 2016.

FLORES, Joaquín Herrera. Teoria crítica dos direitos humanos: Os direitos humanos como produtos culturais. Lumen Juris. Rio de Janeiro: 2009.

FREIRE, Nilcéa. Introdução. In: MERLINO, Tatiana; OJEDA, Igor (orgs.). Direito à memória e à verdade: Luta, substantivo feminino. São Paulo: Caros Amigos, 2010. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/dados/livros/dh/livro_sedh_mulheres_ditadura.pdf. Acesso em: 02 jun. 2016.

GONÇALVES, Danyelle Nilin. Os múltiplos sentidos de anistia. Revista Anistia Política e Justiça de Transição, Brasília, DF, 2009, n. 01, p. 272-95, jan./jun. 2009. Disponível em: <http://portal.mj.gov.br/main.asp?Team=%7B67064208-D044-437B-9F24-96E0B26CB372%7D>. Acesso em: 07 jun. 2015.

MEIRELLES, Renata. Da memória para a história: experiências e expectativas de mulheres subversivas na ditadura militar. Prisma Jurídico, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 111-134, jan./jun. 2011.

ORIA, Piera Paola. De la casa a la plaza. Buenos Aires: Nueva América, 1987.

PEDRO, Joana Maria. Narrativas do feminismo nos países do Cone Sul (1960-1989). In: ______; WOLFF, Cristina Scheibe (orgs.). Gênero, feminismos e ditaduras no Cone Sul. Florianópolis: Mulheres, 2010. Disponível em: <https://bibliotecaonlinedahisfj.files.wordpress.com/2015/03/03062011-101945feminismo-e-ditadurasfinal2.pdf>. Acesso em: 05 jun. 2016.

PERROT, Michelle. A mulher popular rebelde. In: ______. Os excluídos da história. Tradução de Denise Bottmann. 2ª ed. Rio de Janeiro: Terra e Paz, 1988. p. 185-212.

______. As mulheres ou os silêncios da história. Tradução de Viviane Ribeiro. São Paulo: EDUSC, 2005.

______. Sair. In: DUBY, Georges; PERROT, Michelle. História das mulheres no ocidente: o século XIX. Tradução de Cláudia Gonçalves e Egito Gonçalves. Santa Maria da Feira: Edições Afrontamento, 1991. v. 4. p. 503-539.

QUADRAT, Samantha Viz. O direito à identidade: a restituição de crianças apropriadas nos porões das ditaduras militares do Cone Sul. História, Franca (SP), v. 22, n. 2, p. 167-181, 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742003000200010>. Acesso em: 18 maio 2016.

RIDENTI, Marcelo Siqueira. As mulheres na política brasileira: os anos de chumbo. Revista Tempo Social, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 113-128, jul./dez. 1990. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ts/article/view/84806. Acesso em: 05 jul. 2016.

SANTOS, André Leonardo Copetti; LUCAS, Doglas Cesar. A (in)diferença no direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2015.

SARTI, Cynthia Andersen. Feminismo e contexto: lições do caso brasileiro. Cadernos Pagu, v. 16, p. 31-48, 2001. Disponível em: www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-83332001000100003&script=sci_arttext&tlng=es. Acesso em: 16 jun. 2016.

______. O início do feminismo sob a ditadura no Brasil: o que ficou escondido. In: XXI International Congress of LASA, Chicago, set. 1998. Disponível em: http://lasa.international.pitt.edu/LASA98/Sarti.pdf. Acesso em: 19 maio 2016.

SCHMINK, Marianne. Women in Brazilian Abertura Politics. Revista Signs, Chicago, EUA, v. 7, n. 1, p. 115-134, 1981. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/3173512. Acesso em: 02 jul. 2016.

SCOTT, Joan W. A mulher trabalhadora. In: DUBY, Georges; PERROT, Michelle. História das mulheres no ocidente: o século XIX. Tradução de Cláudia Gonçalves e Egito Gonçalves. Santa Maria da Feira: Edições Afrontamento, 1991. v. 4. p. 443-475.

______. História das mulheres. In: BURKE, Peter (org.). A escrita da história: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 1992. p. 63-95.

SKIDMORE, Thomas. Uma História do Brasil. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

SOUSA, Jessie Jane Vieira de. Anistia no Brasil: um processo político em disputa. In: PAYNE, Leigh A.; ABRÃO, Paulo; TORELLY, Marcelo D. (orgs). A anistia na era da responsabilização: o Brasil em perspectiva comparada. Brasília: Ministério da Justiça, Comissão de Anistia; Oxford University, Latin American Centre, 2011. Disponível em: <http://www.portalmemoriasreveladas.arquivonacional.gov.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=17&sid=4>. Acesso em 17 maio. 2015. p. 188-210.

TELES, Janaína de Almeida. As disputas pela interpretação da Lei de Anistia de 1979. Revista Ideias: Dossiê: Um balanço crítico da redemocratização no Brasil, Campinas, SP, vol. 1, n. 1, p. 71-94, 2010. Disponível em: <http://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/issue/view/2/showToc>. Acesso em: 03 jun. 2015.

WOLFF, Cristina Scheibe. Pedaços de alma: emoções e gênero nos discursos da resistência. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, SC, v. 23, n. 3, p. 975-989, set./dez. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2015000300975&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 12 jun. 2016.

Publicado
2020-04-30