A FRAGILIZAÇÃO DO ESTADO-NAÇÃO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS VIOLADOS PELAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

Elias Jacob de Menezes Neto, Jose Luis Bolzan de Morais

Resumo


Este artigo resulta da necessidade de situar a proteção dos direitos humanos diante da proliferação das tecnologias de informação e comunicação (TICs) e dos fluxos globais de dados, especialmente, levando-se em conta que a desterritorialidade e a fluidez desses fenômenos desafiam os mecanismos de controle jurídico, centrados, exclusivamente no Estado-nação Tendo como marco teórico e metodológico uma corrente da sociologia canadense denominada surveillance studies, o artigo demonstrará como a violação de direitos humanos pelas TICs vai muito além da privacidade. Demonstrar-se-á, ainda, que o Estado é palco fragilizado para a proteção desses direitos, o que permite considerar a teoria sistêmica como adequadas para proteger direitos violados por corporações transnacionais ligadas à tecnologia da informação. Conclui que a proteção dos direitos humanos afetados pelas TICs não pode depender, exclusivamente, dos meios de regulação jurídica associados ao Estado, dada a sua impossibilidade de lidar com problemas que escapam à esfera da política e ao container territorial, o que torna imprescindível a participação da iniciativa privada.


Palavras-chave


Big data; Direitos humanos; Tecnologia da informação e comunicação; Vigilância

Texto completo:

PDF

Referências


ANDREJEVIC, M. iSpy: Surveillance and Power in the Interactive Era. Lawrence: University Press of Kansas, 2007. 325 p.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Tradução de Plinio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001. 258 p.

BAUMAN, Z.; LYON, D. Liquid Surveillance: A Conversation. Cambridge: Polity, 2013. 152 p.

BOBBIO, N. O futuro da democracia. Tradução de Marco Aurélio Nogueira. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. 171 p.

BOLZAN DE MORAIS, J. L. As crises do estado e da constituição e a transformação espacial dos direitos humanos. 2. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2011. 143 p.

CASADO, J.; GREENWALD, G.; KAZ, R. EUA espionaram milhões de e-mails e ligações de brasileiros. O Globo, Rio de Janeiro, 06 jul 2013. Disponível em: < http://oglobo.globo.com/mundo/eua-espionaram-milhoes-de-mails-ligacoes-de-brasileiros-8940934>. Acesso em: 26 abr. 2016.

CASTELLS, M. The rise of the network society: The information age – economy, society and culture. 2. ed. Chichester: Wiley-Blackwell, v. 1, 2010. 597 p.

COSTA, C. Quatro coisas que mudam com a criptografia no WhatsApp – e por que ela gera polêmica. BBC Brasil, Londres, 06 abr. 2016. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2016.

FAGUNDEZ, I; SERRA, R. Executivo do Facebook é libertado em SP. BBC Brasil, São Paulo, 02 mar. 2016. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2016.

FERRAJOLI, L. Principia iuris: Teoria del diritto e della democrazia. Bari: Laterza, 2007.

FERRAJOLI, L. Poderes salvajes: la crisis de la democracia constitucional. Tradução de Perfecto Andrés Ibáñez. Madrid: Trotta, 2011a. 109 p.

FERRAJOLI, L. Por uma teoria dos direitos e dos bens fundamentais. Tradução de Alexandre Salim; Alfredo Copetti Neto, et al. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2011b. 122 p.

FORTES, V. B. O direito fundamental à privacidade: uma proposta conceitual para a regulamentação da proteção dos dados pessoais na internet no Brasil. 2015. 225 f. Tese (Doutorado em Direito) – Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 01 jun. 2015.

GANDY JR., O. H. Engaging rational discrimination: exploring reasons for placing regulatory constraints on decision support systems. Ethics and Information Technology, 12, n. 1, mar. 2010. 29-42. DOI: 10.1007/s10676-009-9198-6.

INTERNATIONAL BANK FOR RECONSTRUCTION AND DEVELOPMENT. World development report: digital dividends. Washington: The World Bank, 2016. 330 p. ISBN DOI: 10.1596/978-1-4648-0671-1.

LUCKERSON, V. Netflix Gets a Speed Boost, Courtesy of Comcast. Time, New York, 12 maio 2014. Disponível em: < http://time.com/96831/netflix-comcast-speeds-get-boost/>. Acesso em: 09 jul. 2017.

LYON, D. The Electronic Eye: The Rise of Surveillance Society. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1994. 270 p.

LYON, D. Surveillance society: Monitoring everyday life. Buckingham: Open University Press, 2001. 189 p.

LYON, D. Introduction. In: LYON, D. Surveillance as Social Sorting: Privacy, risk and digital discrimination. London: Routledge, 2003a. p. 1-9.

LYON, D. Surveillance as social sorting: computer codes and mobile bodies. In: LYON, D. Surveillance as Social Sorting: Privacy, risk and digital discrimination. London: Routledge, 2003b. p. 13-30.

LYON, D. Surveillance Studies: An Overview. Cambridge: Polity, 2007. 243 p.

LYON, D. Liquid Surveillance: The Contribution of Zygmunt Bauman to Surveillance Studies. International Political Sociology , 4, n. 4, 1 dez. 2010. 325-338. DOI: 10.1111/j.1749-5687.2010.00109.x.

LYON, D. Surveillance, Snowden, and Big Data: Capacities, consequences, critique. Big Data & Society, 1, n. 2, Jul. 2014. 1-13. DOI: 10.1177/2053951714541861.

LYON, D. Snowden Surveillance after. Cabridge: Polity Press, 2015. Kindle Edition.

RODOTÀ, S. A vida na sociedade da vigilância: a privacidade hoje. Tradução de Danilo Doneda e Luciana Cabral Doneda. Rio de Janeiro: Renovar, 2008. 382 p.

RODOTÀ, S. Il mondo nella rete: Quali i diritti, quali i vincoli. Roma: Laterza / la Repubblica, 2014. Kindle Edition. 1307 pos.

SASSEN, S. Territory, authority, rights. Woodstock: Princeton University Press, 2006. 493 p.

STEEVES, V. It’s Not Child’s Play: The Online Invasion of Children’s Privacy. University of Ottawa Law & Technology Journal, 3, n. 1, 2006. 169-188.

TEUBNER, G. Transnational Fundamental Rights: Horizontal Effect? Netherlands Journal of Legal Philosophy, 40, n. 3, 2011. 191-215.

VERSCHRAEGEN, G. Hybrid Constitutionalism, Fundamental Rights and the State: A Response to Gunther Teubner. Netherlands Journal of Legal Philosophy, v. 40, n. 3, p. 216-229, 2011. ISSN ISSN: 213-0721.

WHITSON, J. R. Surveillance and democracy in the digital enclosure. In: HAGGERTY, K.; SAMATAS, M. Surveillance and democracy. London: Routledge, 2010. p. 231-246.




DOI: https://doi.org/10.25192/issn.1982-0496.rdfd.v23i31135

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.