A SOCIEDADE INTERNACIONAL E A PAZ POR MEIO DO DIREITO: O PAPEL DA JUSTIÇA PENAL INTERNACIONAL

Autores

  • Doutor Gilmar Antonio Bedin Unijui, Rio Grande do Sul, Brasil
  • Aline Michele Pedron Leves Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

DOI:

https://doi.org/10.25192/issn.1982-0496.rdfd.v23i11223

Palavras-chave:

Direitos Humanos. Paz Mundial. Sociedade Internacional. Tribunal Penal Internacional.

Resumo

A sociedade internacional moderna, desde a sua formação na Paz de Westfália (1648), foi se transformando e, passando a admitir, cada vez mais, a intervenção de diversas organizações internacionais. Deste modo, é possível perceber a importância e a necessidade da criação dessas organizações internacionais para a mediação dos conflitos universais e sua solução pacífica. É neste contexto que emerge a luta pela criação de uma corte internacional para tratar dos crimes mais graves cometidos contra a humanidade (incluído o crime de genocídio e o crime de agressão). Tal reivindicação se materializou com a adoção do Estatuto de Roma (1998). Assim sendo, o presente artigo analisa os contornos da sociedade internacional contemporânea e a necessidade de buscar a paz por meio do direito. Daí, portanto, a escolha de problematizar a iniciativa da criação do Tribunal Penal Internacional (TPI) e seu papel na construção de uma paz mundial duradoura e voltada à proteção dos direitos humanos. Para tanto, o método de abordagem utilizado foi o hipotético-dedutivo e a técnica de pesquisa bibliográfica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Doutor Gilmar Antonio Bedin, Unijui, Rio Grande do Sul, Brasil

Doutor em Direito pela UFSC. Professor permanete dos Programas de Pós-Graduação em Direito da UNIJUÍ e da URI. Líder do Grupo de Pesquisa Direitos Humanos, Globalização e Equidade.

Aline Michele Pedron Leves, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Mestranda em Direitos Humanos pela UNIJUÍ. Integrante do Grupo de Pesquisa Direitos Humanos, Globalização e Equidade. Bolsista CAPES.

Referências

BEDIN, Gilmar Antonio. Estado de Direito e Relações Internacionais: é possível o direito substituir as relações de poder na sociedade internacional? In: BEDIN, Gilmar Antonio (Org.) et al. Estado de direito, jurisdição universal e terrorismo: levando o direito internacional a sério. (p. 13 - 36). Ijuí: UNIJUÍ, 2009.

BOBBIO, Norberto. O terceiro ausente: ensaios e discursos sobre a paz e a guerra. São Paulo: Manole, 2009.

BOBBITT, Philip. A guerra e a paz na história moderna: o impacto dos grandes conflitos e da política na formação das nações. Tradução de Cristiana Serra. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

CHOUKR, Fauzi Hassan; KAI, Ambos (orgs.). Tribunal Penal Internacional. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2000.

CLAUSEWITZ, Carl Von. Da Guerra. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

CRETELLA NETO, José. Teoria geral das organizações internacionais. São Paulo: Saraiva, 2007.

FERNANDES, David Augusto. Tribunal Penal Internacional: a concretização de um sonho. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.

FERRAJOLI, Luigi. A soberania no mundo moderno: nascimento e crise do Estado nacional. Tradução de Carlo Coccioli e Márcio Lauria Filho. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

GILBERT, Martin. A segunda guerra mundial. Tradução de Ana Luísa Faria e Miguel Serras Pereira. Córdova: Dom Quixote, 2009.

HOBBES, Thomas. Leviatã: ou matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. Tradução de Rosina D’Angina. 2. ed. São Paulo: Martin Claret, 2012.

ICC-CPI, International Criminal Court. Situations and Cases. 2017. Disponível em: <https://www.icc-cpi.int/Pages/cases.aspx>. Acesso em: 02 ago. 2017.

KANT, Immanuel. Ideia de uma história universal de um ponto de vista cosmopolita. Tradução de Rodrigo Naves e Ricardo Terra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

KELSEN, Hans. A paz pelo direito. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

LAFER, Celso. A reconstrução dos Direitos Humanos: um diálogo com o pensamento de

Hannah Arendt. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

MENEZES, Wagner. Tribunais Internacionais: jurisdição e competência. São Paulo: Saraiva, 2013.

PERRONE-MOISÉS, Cláudia. Direito internacional penal: imunidades e anistias. Barueri, São Paulo: Manole, 2012.

SCHABBAS, William A. An Introduction to the International Criminal Court. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

TOTA, Pedro. Segunda Guerra Mundial. In: MAGNOLI, Demétrio (org.). História das guerras. (p. 355 - 389). São Paulo: Contexto, 2011.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Os Tribunais Internacionais Contemporâneos. Brasília: FUNAG, 2013.

Downloads

Publicado

13/04/2018